A Psicologia da Mulher-Maravilha

Com o hype em torno da heroína mais icônica da cultura pop é de se esperar que diversas publicações sejam lançadas sobre ela. Recentemente, o livro A História Secreta da Mulher-Maravilha ganhou tradução de Érico Assis (Omelete) e foi lançado no Brasil. Já havíamos falado sobre ele no ano passado, lembram?

Embora nem todos os livros sobre a personagem cheguem às terras tupiniquins, vale a pena conhecer a proposta de alguns deles caso você seja um grande fã ou um pesquisador, como eu. Por isso, por que não entender um pouco mais sobre a personalidade de Diana traçada por um especialista no assunto?

O Dr. Travis Langley  é psicólogo e autor de diversos livros sobre diversos heróis, como Batman e o Capitão América e, em seu último livro, trata de analisar nossa princesa das amazonas. Ao contrário do livro da Jill Lepore, que citei ali em cima, a Psicologia da Mulher-Maravilha: laçando a verdade, tem a aprovação dos descendentes de Elizabeth Marston, a esposa oficial de William Marston e tem um prefácio escrito pela própria Trina Robbins, primeira mulher a desenhar a Mulher-Maravilha.

Em um trecho exclusivo de seu livro, Travis Langley apresenta uma super-heroína com origens curiosas (Publicado originalmente no The Psychologist):

 

A princesa Diana das Amazonas é um personagem forte e saudável. Como Mulher-Maravilha, ela é um dos super-heróis mais famosos do mundo e é a personagem feminina mais famosa entre eles – alguns argumentam que seja a heroína mais famosa de qualquer tipo.

Os super-heróis tendem a encarnar a esperança de que os indivíduos que se dedicam a fazer a coisa certa podem tornar o mundo melhor, mas a Mulher-Maravilha vai além, demonstrando a esperança de que cada indivíduo possa melhorar. Ela quer ajudar as pessoas a descobrir o melhor em sua própria natureza e seu laço mágico, conhecido por obrigar as pessoas a falar com honestidade, representa sua dedicação à própria verdade.

Mas, por que reunir um livro sobre a psicologia de uma heroína mentalmente saudável e cujos inimigos não são amplamente conhecidos? Quando eu escrevi Batman e Psicologia: A Dark and Stormy Knight, as pessoas entenderam o motivo: O cavaleiro Negro tem sérios problemas, seus inimigos enchem um hospício e nenhum super-herói tem inimigos mais famosos do que os dele. Usar a psicologia para olhar esses personagens e histórias pareceu ser óbvio, e extrair dessa ficção exemplos para explicar a psicologia fazia sentido.

O trauma pessoal não leva Diana a se tornar uma heroína. Os antecedentes dos heróis da vida real tendem a não incluir apenas uma tragédia de motivação. Como o escritor de quadrinhos Len Wein observou: “Alguns deles se tornam heróis porque é simplesmente o que é certo.” No entanto, há muitos tipos de heróis e muitas áreas da psicologia. Nem todos eles se relacionam com a escuridão.

A verdade está incompleta quando a buscamos apenas na escuridão. Caçar segredos na escuridão da noite, não importa quantas descobertas fantásticas possam revelar, pode gerar ilusões e até nos enganar se negligenciarmos outras verdades que brilham à luz do dia. Um olhar sobre a doença mental faz pouco sentido, a menos que o contrastemos com a saúde mental. Como podemos avaliar a “deficiência de uma pessoa em áreas sociais, ocupacionais ou outras áreas importantes de funcionamento”, sem considerar o que está funcionando de forma inigualável em primeiro lugar? Como podemos discutir “anormal” sem definir “normal”? Perguntas como estas intrigavam o criador da Mulher-Maravilha.

Um psicólogo criou Diana, a princesa amazona, por sugestão de sua esposa, Elizabeth Holloway Marston, que também era psicóloga, segundo os padrões da época. O Dr. William Moulton Marston – terapeuta, professor e empresário – tornou-se um consultor educacional para as empresas que se fundiriam formando a DC Comics. Quando o editor Sheldon Mayer lhe deu a oportunidade de criar um novo super-herói, Bill Marston foi para casa cheio de entusiasmo pela perspectiva e, de acordo com seu filho Pete, Elizabeth fez a recomendação crucial: “Vamos ter uma super mulher! Há muitos homens lá fora “.

Sob o pseudônimo de Charles Moulton, até sua morte em decorrência de um câncer aos cinquenta e três anos, Bill dedicou os últimos seis anos de sua vida a escrever sobre essa personagem em histórias que combinavam suas opiniões acerca da superioridade das mulheres em relação aos homens, sua teoria sobre como as pessoas se influenciam mutuamente e sua ciência da verdade. Não era apenas qualquer psicólogo, William Moulton Marston ocupou um lugar importante na história da psicologia forense e da psicologia pessoal, na história da busca da verdade em tribunais e carreiras. Muitas vezes, ele é chamado – incorretamente e ainda com bom motivo – o “inventor do detector de mentiras” por usar a pressão arterial sistólica para identificar sinais de hesitação. Embora ele não tenha inventado o polígrafo (poli-para “múltiplo” e “gráfico” para medição), Marston popularizou o uso da medição de uma reação fisiológica ao tentar avaliar a honestidade em processos criminais. Ele se tornou um especialista em detecção de mentiras nos tribunais, reconhecidamente, até que um dos casos que levou a um tribunal de apelação definiu que seu método de detecção de mentiras não deveria ser usado no tribunal.

Nos quadrinhos da Mulher-Maravilha de Marston, na década de 1940, os personagens Diana e Steve Trevor usam medidas de pressão arterial sistólica às vezes para identificar mentirosos e espiões.  A Mulher -Maravilha se tornaria bem conhecida por empunhar um laço mágico da verdade – que é em si uma mentira amplamente compartilhada, uma expressão errônea porque o laço obriga a obediência, e não apenas as confissões. Marston considerou a obediência e a submissão amorosa aos outros como boa, saudável e importante para o crescimento pessoal e isso se tornaria um tema recorrente ao longo de suas histórias. O laço até poderia obrigar uma pessoa a mentir, mas a dedicação da Mulher-Maravilha à busca da verdade como parte integrante da sua personalidade faz desse aspecto o atributo mais identificável desse laço, até o ponto em que mesmo os escritores de quadrinhos esquecerem por muitos anos que ele faz mais do que suscitar respostas honestas. “Nós olhamos para o Laço da Verdade”, o escritor Greg Rucka disse sobre revisitar a origem da heroína para o evento DC Rebirth, “mas não é o laço que faz isso; É Diana quem traz a verdade”.

Juntamente com o Superman e o Batman,  a Mulher-Maravilha é um dos únicos três super-heróis a permanecerem em publicação constante desde suas estréias da Era da Ouro até os dias atuais. Os respectivos filhos de ficção científica, crimes  e mitos, estes três persistem por diversas razões. Em um ponto na década de 1950, eles eram os únicos títulos de super-heróis mantidos para publicação. O Superman foi nosso primeiro super-herói de quadrinhos – brilhante e impossível. Batman “expandiu esse meme ao adicionar o outro lado da moeda, o escuro e improvável possível”.  O que, então, era a Mulher-Maravilha? Ela não era a primeira super-heroína, nem a primeira heroína mitológica, mas talvez ela fosse a primeira super-heroína psicológica.

“Francamente, a Mulher Maravilha é uma propaganda psicológica para o novo tipo de mulher que, creio eu, governará o mundo”, disse o criador do personagem em uma carta ao historiador de quadrinhos Coulton Waugh. “Não há amor suficiente no organismo masculino para dirigir este planeta de forma pacífica”.

Durante a Segunda Guerra Mundial, época em que as guerras que os homens travavam ameaçaram vidas em todo o mundo, ele acreditava que as líderes femininas que surgiriam depois levariam o futuro em uma direção mais esclarecida. “Há uma grande esperança para este mundo. As mulheres vão ganhar! Quando as mulheres governarem, não haverá mais guerra porque as meninas não querem perder tempo matando homens – considero isso como o maior – não, ainda mais – como a única esperança para uma paz permanente “. Em As versões mais conhecidas de sua origem, Diana deixa sua ilha e se torna a Mulher Maravilha para lutar contra a própria guerra, como às vezes encarnada sob a forma de Deus de guerra, Ares ou Marte. “A primeira vítima da guerra”, como diz Diana, “é verdade”.

“Quando você precisa parar um asteróide, você chama o Superman. Quando você precisa resolver um mistério, você chama Batman. Mas quando você precisa terminar uma guerra, você chama a Mulher-Maravilha. ” (Gail Simone). Marston originalmente queria chamá-la de Suprema the Wonder Woman no estilo de Robin the Boy Wonder e muitos outros personagens da época, mas o editor Sheldon Mayer não gostou disso e disse para mudá-lo para Mulher-Maravilha. Ela não era um spin-off de um super-herói masculino (não mais do que qualquer outro super-herói, em última instância, deriva de Superman), não da maneira que Hawkgirl, Supergirl e Batgirl seguiram Hawkman, Superman e Batman. Nem foi criada para ser o interesse de amor de um super-herói masculino (Hawkgirl, Bulletgirl), parente (Mary Marvel, Supergirl, She-Hulk), fã inspirada (Batwoman, Batgirl), token de equipe (Invisible Girl, Marvel Girl) ou femme fatale (Catwoman – às vezes heroína, às vezes não). Entre os super-heróis, ela era a mulher independente, não menina. Ela pode ter se juntado à Liga (sociedade) da Justiça inicialmente para ajudar como sua secretária, mas em suas próprias histórias ela era a heroína.

As suas representações variaram, principalmente no que diz respeito a quão violenta ela pode ser. Em suas primeiras aventuras, ela se recusa a matar, ela possui um bom senso de humor, e ela se diverte ao longo de suas aventuras. Ao longo das décadas, ela passaria por uma série de revisões, em parte porque suas raízes na Segunda Guerra Mundial não se aguentavam à medida que as décadas avançavam, mas também porque os papéis e os direitos das mulheres mudavam ao longo do tempo. Nós consideramos o caráter forte e saudável por algumas das mesmas razões que os psicólogos recentes cobram agora a psicologia com uma crítica que seu criador faz há muito tempo: muita psicologia se concentrou no que é anormal sem explorar o que é normal – daí o livro clássico de Marston , Emoções das pessoas normais.

Rebirth #1 – Wonder Woman

Enquanto outros psicólogos e outros personagens de ficção podem ver a humanidade de forma pessimista, William Moulton Marston e a Mulher-Maravilha procuram o melhor em todos nós e nutrem esperança pelo nosso mundo. No século XXI, um psicólogo mais conhecido por estudar as causas e conseqüências do desamparo, promove a psicologia positiva na crença de que a psicologia enfatizava demais as piores partes da natureza humana ao negligenciar a tentativa de entendê-la melhor. Talvez mais do que qualquer outro super-herói, a princesa Diana de Themyscira incorpora as virtudes que os psicólogos otimistas buscam em todos nós (sabedoria, coragem, justiça, temperança, transcendência e humanidade) e que os Arquivos de Virtude no final de cada seção deste livro irão explorar.

Ela é uma maravilha. Contemple.

 

Dani Marino
Dani Marino é pesquisadora de Quadrinhos, integrante do Observatório de Quadrinhos da ECA/USP e da Associação de Pesquisadores em Arte Sequencial - ASPAS. Formada em Letras, com habilitação Português/Inglês, atualmente cursa o Mestrado em Comunicação na Escola de Artes e Comunicação da USP. Também colabora com outros sites de cultura pop e quadrinhos como o Minas Nerds, Quadro-a-Quadro, entre outros.