BIG DRIVER de Stephen King : Conto x Filme

A história contada em ambos os formatos traz uma escritora de romances de mistério que ao voltar para casa após uma sessão de autógrafos se vê em situação bastante angustiante. Tess Thorne segue a orientação de uma bibliotecária e pega uma rota alternativa, mas a estrada é ruim e a escritora acaba passando por madeiras na estrada e fura um dos pneus do carro. Um estranho aparece para ajudar e o que é um alívio se torna lentamente uma cena de horror.

O conto pode ser lido no livro: Escuridão total e sem estrelas e foi traduzido com o titulo de: Gigante ao volante. Geralmente leitores ávidos preferem a obra escrita e o conto é maravilhoso, o monólogo interno da personagem é fundamental para a história e esse é um recurso que não funciona bem nas telonas. Mas nesse caso eu gostei de ambos os formatos. No conto o leitor já sabe o que vai acontecer com Tess, pois é dito pelo narrador e na adaptação há a surpresa, mesmo que as circunstâncias tornem a cena principal previsível.

 

“As duas melhores coisas da vida são croissants quentes e um caminho rápido para casa. Esse era um daqueles casos em que o escritor usa suas próprias crenças para dar mais vida à ficção.”

 

 

O filme apesar de ser uma adaptação de baixo orçamento para TV tem um bom resultado. O canal Lifetime costuma produzir telefilmes, mas em sua maioria são romances e a qualidade costuma decepcionar um pouco. Assisti à adaptação sem muitas expectativas e, no geral, foi a atuação da atriz Maria Bello que segurou o filme. Ela ficou bem no papel de Tess e convenceu nas cenas que exigem mais.

Recomendo muito assistir o filme e depois ler o livro porque já na sinopse do conto é revelado o que vai acontecer, então se você é como eu, e gosta de surpresas, não leia a sinopse a seguir e vá correndo assistir o filme. Depois passa aqui para contar sua impressão.

 

Sinopse: Escuridão Total e Sem Estrelas

Na ausência da luz, o mundo assume formas sombrias, distorcidas, tenebrosas. Em Escuridão Total Sem Estrelas os crimes parecem inevitáveis; as punições, insuportáveis; as cumplicidades, misteriosas.
Em 1922, o agricultor Wilfred e o filho, Hank, precisam decidir do que é mais fácil abrir mão: das terras da família ou da esposa e mãe. No conto Gigante do Volante, após ser estuprada por um estranho e deixada à beira da morte, Tess, uma autora de livros de mistério, elabora uma vingança que vai deixá-la cara a cara com um lado desconhecido de si mesma.
Já em Extensão Justa, Dave Streeter tem um câncer terminal e faz um pacto com um estranho vendedor. Mas será que para salvar a própria vida vale a pena destruir a de outra pessoa? E, em Um bom casamento, uma caixa na garagem pode dizer mais a Darcy Anderson sobre seu marido do que os vinte anos que eles passaram juntos.
Os personagens dos quatro contos de Stephen King passam por momentos de escuridão total, quando não existe nada – bom senso, piedade, justiça ou estrelas – para guiá-los. Suas histórias representam o modo como lidamos com o mundo e como o mundo lida conosco. São narrativas fortes e, cada uma a seu modo, profundamente chocantes.

Glaukemp
Escritora e roteirista de terror e suspense, que não tem medo do escuro, mas, às vezes, fecha os olhos quando vai ao banheiro de madrugada. Colunista nos sites Boca do inferno e Iluminerds. Editora da revista Amazing e apresentadora do #TREVOCAST.